logotipo UMP pt

                                 


Vila Pouca de Aguiar | À boleia das origens


​Voltar ao lugar onde nasceram, reencontrando familiares, amigos e vizinhos, inteirando-se das novidades e revivendo o passado com um travo nostálgico, é a missão do projeto “Aldeias”, iniciativa que já envolveu cerca de 50 utentes dos lares da Santa Casa da Misericórdia de Vila Pouca de Aguiar.

 

“Eles sentem-se muito felizes por regressar a suas casas, ver as suas fotografias e os seus pertences, rever os seus entes queridos. É isso que nós queremos, porque sabemos que os utentes, apesar de estarem bem na Santa Casa, sentem falta das suas raízes”, afirma a mesária Ana Rita Dias.

O projeto nasceu porque a psicomotricista Anne Sophie Esteves e a animadora sociocultural Patrícia Rodrigues notavam que os utentes “falam muitas vezes dos familiares, dos vizinhos, da aldeia e que sentiam saudades”. “Então, lembrámo-nos: porque não levá-los?” Assim, uma vez por ano, durante os meses de agosto e setembro, há idosos, entre os 70 e os 93 anos, que sobem a bordo para regressar à terra natal. “A carrinha leva sete pessoas e vai sempre cheia”, atestam.

Na guia de marcha, constam mais de 20 aldeias do concelho e até de fora. “Procuramos encontrar as capelas, os largos das festas e, principalmente, as casas dos utentes. É sempre o ponto onde nos focamos”, sublinha Patrícia, a motorista de serviço.

Além de proporcionar um bem-estar psicológico, o projeto Aldeias tem quase um fim terapêutico para quem padece de algum tipo de demência: “ajuda-os a reavivar memórias e experiências antigas”. “Mais facilmente se recordam do passado, do lugar onde trabalhavam ou cresceram, da casa onde nasceram ou viveram com os filhos do que o que fizeram ontem”, explica Anne Sophie.    

O projeto Aldeias vai já na 3ª edição, o que leva a mesária Ana Rita Dias a considerar que o balanço é “bastante positivo”, quer para os utentes, quer para a equipa técnica. “É uma iniciativa que continuaremos a apoiar, porque sentimos que há uma realização pessoal tanto de quem trabalha como de quem participa nesta atividade.” No futuro, é possível que haja uma maior frequência das visitas às aldeias, nomeadamente em épocas festivas: “no Natal e na Páscoa são alturas em que as aldeias têm mais pessoas e para eles, é bom verem mais gente na sua terra”.

Leia a reportagem na íntegra no seu jornal Voz das Misericórdias de setembro.

Voz das Misericórdias

Linha de Crédito

Concluídos os processos de contratualização dos financiamentos bancários no âmbito da Linha de Crédito de Apoio à Economia Social I e II, divulgamos a lista final de Misericórdias beneficiárias.

Fundo de Reestruturação do Setor Solidário

O Fundo de Reestruturação do Setor Solidário destina-se a apoiar a reestruturação e a sustentabilidade económica e financeira de instituições do setor solidário.

 

Login