As medidas necessárias de desconfinamento vieram, como esperado, aumentar o risco na comunidade e realçar a necessidade de manter um plano coerente e ativo para as pessoas mais frágeis, nomeadamente em estruturas residenciais. Em virtude das notícias que têm sido divulgadas pela comunicação social relativamente à confirmação de casos de Covid-19 em algumas Misericórdias, importa tomar consciência que:

  • A evolução na comunidade demonstra que o vírus está ativo e presente;
  • O aumento de contágios, seja em casos individuais ou coletivos, é hoje uma realidade;
  • Ao contrário do esperado, a suposta aplicação das medidas recomendadas em instituições não está a conter a disseminação interna. De facto, seria expectável que nos casos de entrada do vírus numa instituição este afetasse poucas pessoas devido à proteção inerente à aplicação correta das referidas medidas, mas, pelo contrário, verificamos larga contagiosidade;
  • Não só assistimos a uma nova vaga de estruturas residenciais com casos positivos, mas também a uma grave disseminação interna com muitos casos de utentes e profissionais afetados.

Assim, perante o atual cenário, recomenda esta União que V. Ex.ª diligencie no sentido de:

Por fim, reforçamos a necessidade de, em caso de positividade, seguir as instruções de Direção Geral da Saúde e nossas orientações com especial atenção a definições de garantia de capacidade de recursos humanos, isolamento arquitetónico e ambiental definidos para espaços e cuidados a doentes positivos.

Para o esclarecimento de quaisquer dúvidas sobre esta matéria ou implementação dos Planos de Contingência poderão contactar o Gabinete de Ação Social através dos contactos telefónicos 211 526 786 ou através do email accao.social@ump.pt , para os equipamentos e respostas da área social.

Para os equipamentos e respostas da área da saúde poderão contactar o Grupo Misericórdias Saúde através do contacto telefónico 218 110 544 ou através do email saude@ump.pt 

Ver Circular 82/2020 aqui