As 388 Misericórdias atualmente ativas em Portugal apoiam diariamente cerca de 165 mil pessoas e, para o efeito, contam com mais de 45 mil colaboradores diretos

O apoio prestado à comunidade assenta, essencialmente, em duas áreas: apoio social e cuidados de saúde. Para o efeito, as Santas Casas dispõem de uma vasta rede de equipamentos que asseguram respostas adequadas às comunidades onde estão inseridas.

As Misericórdias também desenvolvem inúmeras iniciativas de inovação social, valorização da cultura local e coesão territorial. Enquanto entidades empregadoras, as Santas Casas contam com mais de 45 mil colaboradores diretos e outros milhares indiretos.

Detentoras de um vasto património móvel e imóvel (são mais de 1000 os imóveis de interesse arquitetónico e 82 os museus e núcleos museológicos), as Misericórdias são ainda responsáveis por iniciativas litúrgicas como a Semana Santa e o Dia da Visitação, entre outros.

A primeira Misericórdia em Portugal, a de Lisboa, foi fundada pela rainha D. Leonor, viúva de D. João II, que inspirou a criação de outras Misericórdias em Portugal e na diáspora portuguesa.

As 14 obras de misericórdia são:

Obras corporais

Dar de comer a quem tem fome

Dar de beber a quem tem sede

Vestir os nus

Acolher os errantes

Visitar os doentes

Remir os cativos

Sepultar os mortos

Obras espirituais

Dar bom conselho a quem pede

Ensinar os ignorantes

Corrigir os que erram

Consolar os que estão tristes

Perdoar as injúrias

Suportar com paciência as fraquezas do próximo

Rogar a Deus pelos vivos e pelos defuntos

Voltar